Skip to content

Alterar o Terminal Padrão do Gnome 3

Ao instalar o Gnome 3, por padrão o terminal utilizado é o gnome-terminal. Ele é muito bom, já o utilizei muito, mas sempre tem aquelas pessoas que preferem usar um software diferente do padrão. Eu mesmo, atualmente, prefiro utilizar o terminator. Para mudar o padrão, primeiro é necessário instalar um outro terminal. Por exemplo, para instalar o terminator no Ubuntu:

sudo apt-get -y install terminator

Depois temos que configurar o Gnome 3 para que utilize o terminal desejado. Há duas formas de fazê-lo, utilizando o aplicativo gráfico dconf-editor ou utilizando o comando gsettings. Com o comando gsettings, podemos visualizar o padrão configurado:

gsettings get org.gnome.desktop.default-applications.terminal exec

Para definir outro padrão, como exemplo o terminator, primeiro utilizamos o comando abaixo para descobrir o caminho até o binário de execução do terminal desejado:

which terminator

No Ubuntu teremos como retorno /usr/bin/terminator, o que será utilizado como parâmetro para o próximo comando, responsável por editar a chave exec:

gsettings set org.gnome.desktop.default-applications.terminal exec "/usr/bin/terminator"

E para modificar os argumentos passados para o terminal padrão, temos que editar a chave exec-arg. Para o terminator basta usar o argumento -x, o qual já vem pré-definido, mas para outros terminais você pode querer passar outros argumentos. Exemplo de uso:

gsettings set org.gnome.desktop.default-applications.terminal exec-arg "-x"

Utilizando o dconf-editor, configure de forma semelhante à imagem abaixo:

dconf-editor

Depois das modificações necessárias, o terminal padrão do Gnome 3 estará modificado e ao utilizar as teclas de atalho CTRL+ALT+T será aberto, neste caso, o terminator e não mais o gnome-terminal. Este padrão funciona para todo o ambiente gráfico Gnome 3, inclusive para o Nautilus com a extensão nautilus-open-terminal, conforme descrito no meu post anterior Abrir Terminal em Determinado Diretório do Nautilus.

Anúncios

Abrir Terminal em Determinado Diretório do Nautilus

As vezes você está explorando diretórios no Ubuntu e precisa abrir uma janela de terminal neste mesmo diretório. Normalmente você teria que abrir o terminal e navegar novamente até este diretório, o que, dependedo da profundidade do diretório, poderia ser uma tarefa chata de se fazer.

Uma das formas de evitar esta chatice e aumentar a produtividade é instalar uma extensão no Nautilus que permita que você abra uma janela de terminal no diretório em que você está. Para isto, utilizamos o comando abaixo:

sudo apt-get -y install nautilus-open-terminal

Com este pacote instalado, basta abrir o Nautilus, clicar com o botão direito do mouse sobre o diretório e escolher a opção “Abrir num terminal”, como ilustrado abaixo:

nautilus-open-terminal

Reiniciando o Nautilus

Para que a extensão instalada seja carregada pelo Nautilus, você tem que reiniciá-lo. Isto pode ser feito realizando um novo login no Ubuntu ou encerrando todos os processos existentes do Nautilus com o comando abaixo:

killall nautilus

Agora é só abrir o Nautilus novamente e verificar o funcionamento da extensão.

Scripts de Backup do GIL e do Cadsus Simplificado no Linux

Como eu disse no post Servidor GIL e Cadsus Simplificado em Linux, ao utilizar o banco de dados do GIL em um servidor Linux, o procedimento normal de backup fica impossibilitado. Este post traz scripts de exemplo para a realização de backup do GIL, para suprir a carência deixada, e também do Cadsus Simplificado.

Backup de bdgil.fdb

Este script envolve duas etapas de compressão, pois não é possível realizar backups incrementais ou diferenciais com Firebird 1.5, só podemos realizar backups completos. A primeira compressão utiliza uma ferramenta do próprio Firebird, o gbak, que também é utilizado pelo aplicativo GIL em suas ferramentas de backup. Nesta etapa é necessário o usuário e a senha de acesso ao banco de dados do GIL, que são, respectivamente, sysgil e phoenix, de acordo com este blog. Sintaxe do gbak para a realização de nosso backup:

/opt/firebird/bin/gbak -USER USUARIO -PAS SENHA -B -IG ARQUIVO-DE-BANCO-DE-DADOS ARQUIVO-DE-BACKUP

Onde:

-USER USUARIO
Nome de usuário do Firebird. Substitua USUARIO por sysgil.

-PAS SENHA
Senha do Firebird. Substitua SENHA por phoenix.

-B
Realiza o backup do arquivo de banco de dados fornecido para o arquivo de backup especificado.

-IG
Ignora erros de checksum.

ARQUIVO-DE-BANCO-DE-DADOS
Caminho de diretório e nome do arquivo de banco de dados. No nosso exemplo, substitua por /var/lib/firebird/gil/bdgil.fdb.

ARQUIVO-DE-BACKUP
Caminho de diretório e nome do arquivo de backup. No nosso exemplo, substitua por /tmp/gil$(date +%Y%m%d).fbk.

Utilizar o nome do arquivo de backup desta forma, gil$(date +%Y%m%d).fbk, irá fazer com que a cada dia o nome seja diferente, pois terá como base a data do sistema. Um backup de hoje terá nome gil20130410.fbk, por exemplo.

Utilizando estas informações com o gbak, temos a primeira linha do nosso script:

/opt/firebird/bin/gbak -USER sysgil -PAS phoenix -B -IG /var/lib/firebird/gil/bdgil.fdb /tmp/gil$(date +%Y%m%d).fbk

Backup que se preze, é feito em fita ou em outro computador remoto. Nossa próxima linha do script consiste em montar em /mnt um compartilhamento chamado backup, existente em um computador com IP 192.168.1.65, com sistema operacional Windows, usando o usuário germanodlf e a senha senha para acesso. Esta linha terá que ser modificada de acordo com a sua necessidade:

mount -t cifs -o username=germanodlf,password=senha //192.168.1.65/backup /mnt

Agora a segunda compressão, que é feita pelo tar. Iremos comprimir direto em nosso servidor de backup Windows usando o algoritmo de compressão bzip2 e a mesma idéia de nomenclatura de arquivo baseado na data do sistema:

tar -czf /mnt/gil$(date +%Y%m%d).fbk.tar.gz /tmp/gil$(date +%Y%m%d).fbk

Desmontamos o compartilhamento:

umount /mnt

E removemos os arquivos temporários:

rm /tmp/gil$(date +%Y%m%d).fbk

No fim das contas, teremos um script completo de backup do banco de dados do GIL, que iremos dar o nome de gil-backup:

#!/bin/bash
/opt/firebird/bin/gbak -USER sysgil -PAS phoenix -B -IG /var/lib/firebird/gil/bdgil.fdb /tmp/gil$(date +%Y%m%d).fbk
mount -t cifs -o username=germanodlf,password=senha //192.168.1.65/backup /mnt
tar -czf /mnt/gil$(date +%Y%m%d).fbk.tar.gz /tmp/gil$(date +%Y%m%d).fbk
umount /mnt
rm /tmp/gil$(date +%Y%m%d).fbk

Backup de DB_CNS.GDB

Podemos usar a mesma idéia do script gil-backup e criar um outro script para backup do banco de dados do Cadsus Simplificado, sendo que utilizaremos o usuário sysdba e a senha masterkey para a ferramenta gbak. Para versões do GIL a partir da 4.0.30, podemos criar o script abaixo, dando o nome de cadsus-backup:

#!/bin/bash
/opt/firebird/bin/gbak -USER sysdba -PAS masterkey -B -IG /var/lib/firebird/cadsus/DB_CNS.GDB /tmp/cadsus$(date +%Y%m%d).gbk
mount -t cifs -o username=germanodlf,password=senha //192.168.1.65/backup /mnt
tar -czf /mnt/cadsus$(date +%Y%m%d).gbk.tar.gz /tmp/cadsus$(date +%Y%m%d).gbk
umount /mnt
rm /tmp/cadsus$(date +%Y%m%d).gbk

Já para versões do GIL anteriores à 4.0.30 temos que modificar uma linha do script, a linha 2, conforme abaixo, e também daremos o nome de cadsus-backup:

#!/bin/bash
/opt/firebird/bin/gbak -USER sysdba -PAS masterkey -B -IG /var/lib/firebird/cadsus/banco/DB_CNS.GDB /tmp/cadsus$(date +%Y%m%d).gbk
mount -t cifs -o username=germanodlf,password=senha //192.168.1.65/backup /mnt
tar -czf /mnt/cadsus$(date +%Y%m%d).gbk.tar.gz /tmp/cadsus$(date +%Y%m%d).gbk
umount /mnt
rm /tmp/cadsus$(date +%Y%m%d).gbk

Scripts no Path

Para que os scripts possam ser executados como se fossem comandos, vamos colocá-los no path do usuário, mas por segurança vamos permitir apenas que o root os execute:

chown root:root gil-backup cadsus-backup
chmod 700 gil-backup cadsus-backup
mv gil-backup cadsus-backup /sbin

Agendamento dos Backups

Para agendar os backups utilizaremos o serviço Anacron, que nos permite executar os scripts periodicamente. No nosso exemplo vamos realizar backups diários, sendo o backup do GIL às 00:00 e do Cadsus às 00:30. Execute os seguintes comandos para realizar este agendamento:

yum -y install cronie-anacron
echo '00 00 * * * root /sbin/gil-backup' >> /etc/crontab
echo '30 00 * * * root /sbin/cadsus-backup' >> /etc/crontab

Restaurando um Backup

De nada adianta um backup se não soubermos como restaurá-lo, não é verdade? Veja o post abaixo para saber como restaurar os backups feitos com estes scripts:

Scripts de Restauração do GIL e do Cadsus Simplificado no Linux [Em desenvolvimento]

A Muito Tempo Atrás, Num Post Distante…

Hoje faz wcalc $(wcalc `date +%s`-`date -d 20120116 +%s` | cut -d’ ‘ -f3)/86400 | cut -d’ ‘ -f3 | cut -d’.’ -f1 dias que você não lê um novo post meu (ou talvez não, acabei publicando alguns posts antes deste por engano ^^). Por conta disto resolvi fazer vários posts de uma vez só!

Este primeiro post trás uma informação muito desejada por aqueles que utilizam o sistema Gerenciador de Informações Locais – GIL, desenvolvido pelo Datasus. Recentemente encontrei por aí um post de uma pessoa anônima que publicou as senhas de acesso ao banco de dados do GIL! Veja o post do cara:

Espero que todos tirem um bom proveito disso e que o Datasus não mude essas senhas. =D

Os outros posts também trazem informações sobre o GIL, pois tirei proveito do post do nosso amigo anônimo para fazer algumas coisinhas que muita gente gostaria de poder fazer também. Bem, os meus posts são:

Espero que gostem do meu trabalho!

Servidor GIL e Cadsus Simplificado em Linux

Distribuição Linux

Escolhi a distribuição Linux CentOS 6 i386 por ser fornecida de graça e dar suporte a pacotes rpm, sendo também 100% compatível com a distribuição RHEL. Instale o Linux com esquema de particionamento e detalhes que lhe for mais conveniente, mas não esqueça de configurar a rede antes de dar continuidade, principalmente o nome do host no arquivo /etc/sysconfig/network, pois o Firebird precisa que isto esteja bem definido. Tenha certeza de que o nome correto do host aparece em seu prompt.

Configuração do Netfilter e do SELinux

Se você for usar um servidor Linux já operante e o mesmo for um Firewall, você terá que resolver seus problemas de segurança sozinho. Mas para quem criar um novo servidor só para o GIL (e quem sabe também o Cadsus Simplificado), podemos simplesmente desabilitar esses serviços:

echo 'SELINUX=disabled' > /etc/sysconfig/selinux
setenforce 0
chkconfig iptables off
chkconfig ip6tables off
service iptables stop
service ip6tables stop

Firebird 1.5

Antes de instalar o Firebird é necessário instalar algumas dependências:

yum -y install compat-libstdc++-33 compat-libstdc++-296

Instale o Firebird 1.5.6 Superserver for Linux com o comando abaixo:

rpm -Uvh http://downloads.sourceforge.net/project/firebird/firebird-linux-i386/1.5.6-Release/FirebirdSS-1.5.6.5026-0.i686.rpm

Habilite o serviço do Firebird na inicialização do sistema operaconal:

chkconfig firebird on

Dê uma olhada no arquivo /opt/firebird/SYSDBA.password. Nele contém a senha em texto puro do usuário master do Firebird, o usuário sysdba. Basta ver a linha que começa com ISC_PASSWD= e logo após o sinal de igual vem a senha. Mais inseguro ainda seria se este arquivo tivesse permissão de leitura para todo mundo. Ainda bem que só o root pode lê-lo:

ls -lh /opt/firebird/SYSDBA.password
-r--------. 1 root root 466 Ago 17 18:03 /opt/firebird/SYSDBA.password
cat /opt/firebird/SYSDBA.password
# Firebird generated password for user SYSDBA is:
ISC_USER=sysdba
ISC_PASSWD=XUT30Eo3
# generated on gil.saude.ce.gov.br at time Sex Ago 17 17:56:58 BRT 2012
# Your password can be changed to a more suitable one using the
# /opt/firebird/bin/changeDBAPassword.sh script
# For superserver you will also want to check the password in the
# daemon init routine in the file /etc/rc.d/init.d/firebird

Você pode alterar a senha do usuário sysdba usando o script /opt/firebird/bin/changeDBAPassword.sh, o qual solicitará a senha atual e depois a nova senha. Mas não se engane, este script irá colocar a nova senha no arquivo /opt/firebird/SYSDBA.password. Se você tiver interesse que este servidor também venha a servir o banco de dados do Cadsus Simplificado, você deve alterar a senha do usuário sysdba para masterkey, que é a senha padrão utilizada pelo Cadsus Simplificado:

/opt/firebird/bin/changeDBAPassword.sh
Please enter current password for SYSDBA user: XUT30Eo3
Please enter new password for SYSDBA user: masterkey
GSEC> Warning - maximum 8 significant bytes of password used
GSEC>
Running ex to modify /etc/rc.d/init.d/firebird

Pegando Arquivos do Windows

Para continuar precisamos ter uma instalação do GIL servidor em um PC com Windows. Copie estes arquivos para o seu servidor Linux. Recomendo o uso do WinSCP:

C:\Arquivos de programas\datasus\firebird1_5\security.fdb
C:\Arquivos de programas\datasus\gil\banco\BDGIL.FDB

De volta ao Linux, faça um backup do arquivo security.fdb original, mova o arquivo security.fdb que copiamos da máquina Windows para o diretório do Firebird e mude as permissões conforme o arquivo original:

mv /opt/firebird/security.fdb /opt/firebird/security.fdb.bkp
mv security.fdb /opt/firebird/
chown firebird:firebird /opt/firebird/security.fdb
chmod 600 /opt/firebird/security.fdb

Crie um diretório para armazenar o banco de dados do GIL, mova o arquivo BDGIL.FDB para este diretório, renomeando-o com letras minúsculas, e mude as permissões necessárias:

mkdir -p /var/lib/firebird/gil
mv BDGIL.FDB /var/lib/firebird/gil/bdgil.fdb
chown -R firebird:firebird /var/lib/firebird
chmod -R 700 /var/lib/firebird

Se você tiver interesse que este servidor também venha a servir o banco de dados do Cadsus Simplificado, você precisará que seu PC com Windows também tenha uma instalação do Cadsus Centralizador Simplificado. Copie o arquivo abaixo para o seu servidor Linux:

C:\Arquivos de programas\Cadsus Centralizador Simplificado\BANCO\DB_CNS.GDB

No servidor Linux, você terá que criar um diretório para armazenar o banco de dados do Cadsus, só que este diretório vai depender da versão do GIL que você vai usar. Para GIL a partir da versão 4.0.30, basta criar um diretório qualquer, mover o arquivo DB_CNS.GDB para este diretório e mudar as permissões necessárias:

mkdir -p /var/lib/firebird/cadsus
mv DB_CNS.GDB /var/lib/firebird/cadsus/DB_CNS.GDB
chown -R firebird:firebird /var/lib/firebird
chmod -R 700 /var/lib/firebird

Já para GIL anterior à versão 4.0.30 o caminho para o arquivo DB_CNS.GDB tem que conter um sub-diretório chamado banco e dentro dele é que fica o arquivo do banco de dados do Cadsus. Da mesma forma temos que mudar as permissões necessárias:

mkdir -p /var/lib/firebird/cadsus/banco
mv DB_CNS.GDB /var/lib/firebird/cadsus/banco/DB_CNS.GDB
chown -R firebird:firebird /var/lib/firebird
chmod -R 700 /var/lib/firebird

Configurando os Clientes

Primeiro temos que editar o arquivo de configuração do GIL, o Gil.ini. Para o GIL, devemos mudar a linha que começa com Diretorio=, a qual deve conter o IP do servidor Linux, seguido de um caractere : (dois pontos) e seguido do diretório no servidor Linux onde se encontra o banco de dados do GIL, sem o uso de uma barra no final da linha:

Diretorio=192.168.1.55:/var/lib/firebird/gil

Se o seu GIL realiza a importação de dados de usuários (pacientes, clientes) a partir do banco de dados do Cadsus Simplificado (Leia mais sobre isso no post Importando Usuários do Cadsus Para o GIL), devemos mudar também a linha que começa com Caminho=, logo após a linha [CADSUS]. Da mesma forma, a linha tem que conter o IP do servidor Linux, seguido de um caractere : (dois pontos) e seguido do diretório no servidor Linux onde se encontra o banco de dados do Cadsus Simplificado. Porém vai haver uma diferença de configuração entre versões do GIL. Para versões a partir da 4.0.30 é essencial o uso de um caractere / (barra normal) no final da linha:

Caminho=192.168.1.55:/var/lib/firebird/cadsus/

Já para versões do GIL anteriores à 4.0.30 temos que ignorar o sub-diretório banco no caminho e remover qualquer barra no final:

Caminho=192.168.1.55:/var/lib/firebird/cadsus

No fim das contas, o arquivo de configuração Gil.ini para versões do GIL a partir da 4.0.30 deve ficar assim:

Memo1
[SISTEMA]
DataInst=08/03/2006
Diretorio=192.168.1.55:/var/lib/firebird/gil
DirCliente=C:\arquivos de programas\datasus\gil
Dirtabwin=c:\tabwin
Aparencia=C:\arquivos de programas\datasus\gil\skins\(Default).SKN
AbrevAparencia=(Default).SKN
VersaoImportador=20325;
DIRMAPA=C:\arquivos de programas\datasus\gil\MAPA
VersaoExportador=20325:
VersaoHigienizador=20325:

[US]
nomeUS=''

[CADSUS]
Caminho=192.168.1.55:/var/lib/firebird/cadsus/

Já para versões do GIL anteriores à 4.0.30 fica com apenas a diferença da ausência da barra no fim da linha de configuração do banco de dados do Cadsus Simplificado, ficando assim:

Memo1
[SISTEMA]
DataInst=08/03/2006
Diretorio=192.168.1.55:/var/lib/firebird/gil
DirCliente=C:\arquivos de programas\datasus\gil
Dirtabwin=c:\tabwin
Aparencia=C:\arquivos de programas\datasus\gil\skins\(Default).SKN
AbrevAparencia=(Default).SKN
VersaoImportador=20325;
DIRMAPA=C:\arquivos de programas\datasus\gil\MAPA
VersaoExportador=20325:
VersaoHigienizador=20325:

[US]
nomeUS=''

[CADSUS]
Caminho=192.168.1.55:/var/lib/firebird/cadsus

A segunda parte da configuração de nossos clientes GIL que acessarão este servidor GIL Linux é hackear o executável do GIL, o GIL.exe. Para isto teremos que usar um pouco da técnica de engenharia reversa. Como a explicação do procedimento, apesar de simples, é um pouco longa, fiz um outro post só sobre isso:

Hackeando o GIL para Linux

Observações Finais

É muito importante que no aplicativo GIL o ítem Configuração do menu Manutenção seja desativado para todos os usuários (operadores). Neste ítem é feita a configuração do acesso do GIL ao banco de dados do Cadsus Simplificado, para que o mesmo consiga importar dados de usuários (pacientes, clientes). Acontece que o GIL foi desenvolvido visando a plataforma Windows, onde nomes de diretórios e de arquivos é indiferente à letras maiúsculas ou minúsculas. Se você ao menos clicar neste ítem, sem modificar nada, no mesmo instante o GIL irá editar o seu arquivo de configuração (Gil.ini) modificando o caminho configurando para o banco de dados do Cadsus Simplificado, colocando o mesmo caminho, mas com todas as letras maiúsculas. O GIL iria mudar a configuração de:

[CADSUS]
Caminho=192.168.1.55:/var/lib/firebird/cadsus/

Para:

[CADSUS]
Caminho=192.168.1.55:/VAR/LIB/FIREBIRD/CADSUS/

E para nosso servidor Linux, existe um diretório /var/lib/firebird/cadsus, mas não existe /VAR/LIB/FIREBIRD/CADSUS, já que para Linux há distinção entre letras maiúsculas e minúsculas em nomes de diretórios e arquivos.

Outra mudança é a Cópia de Segurança, ítem do mesmo menu Manutenção, que não irá mais funcionar. Então, crie um script para backup do banco de dados do GIL e do Cadsus Simplificado. Também fiz um post sobre isso:

Scripts de Backup do GIL e do Cadsus Simplificado no Linux

Hackeando o GIL para Linux

Entendendo a Razão

Primeiramente, por quê hackear o GIL? Como descrevi no post Servidor GIL (e Cadsus Simplificado) em Linux, podemos usar um sistema operacional Linux para servir o banco de dados do GIL, só que com isso vem um problema: O executável do GIL, o GIL.exe, não está preparado para um servidor Linux.

Como assim? Calma, vou explicar bem direitinho! Para o GIL acessar seu banco de dados ele precisa de três informações: o IP do servidor, o diretório onde se encontra o banco de dados e o nome do arquivo do banco de dados, algo como o seguinte:

192.168.1.55:/var/lib/firebird/gil/bdgil.fdb

Êpa! Mas péra aê! Eu já vi algo parecido antes! É verdade, você já viu algo “parecido” no arquivo de configuração do GIL, o Gil.ini. Neste arquivo temos a seguinte linha:

Diretorio=192.168.1.55:/var/lib/firebird/gil

OK, mas onde está o resto? está faltando “/bdgil.fdb”. Pois é! É aí onde mora o problema do GIL.exe. Dentro dele tem o resto do caminho para o banco de dados do GIL, mas em formato Windows. Por causa das barras, sabe. Em Linux as barras são normais, iguais às barras de datas (/). Não somente em Linux, mas em vários sistemas operacionais, como Unix e Mac OS. Eu até arriscaria dizer que todos os sistemas operacionais são assim, exceto o Windows. Como o tio Bill quer ser diferente, inventou de usar barras ao contrário (\) em seu SO. Ou seja, no GIL.exe tem “\bdgil.fdb”! E é essa maldita barra ao contrário, que o Datasus poderia ter feito sem ela, que atrapalha tudo!

Com o GIL.exe do jeito que ele é originalmente, o GIL pede ao servidor Linux o seguinte:

/var/lib/firebird/gil\bdgil.fdb

O servidor, logicamente, não entende bulhufas! Dando um erro bem bonitinho no cliente. Seria muito, mas muito interessante mesmo, que o Datasus fizesse o favor de remover essa maldita barra ao contrário do GIL.exe. Aí era só colocar ela no Gil.ini e pronto! Não seria necessário esse procedimento que vou explicar. Não seria necessário nem eu estar fazendo esse post!

Mas como a realidade é outra, vamos a diante, nosso objetivo é fazer com que o GIL solicite ao servidor Linux o seguinte:

/var/lib/firebird/gil/bdgil.fdb

E para isto precisamos mudar a barra no GIL.exe. Entendeu?

Editor Hexadecimal

Você vai precisar instalar em seu computador um editor hexadecimal:
Windows: HxD – Freeware Hex Editor and Disk Editor
Linux Gnome: Bless Hex Editor
Linux KDE: Okteta

Hackeando

Pegue, de uma das máquinas com GIL instalado, uma cópia do arquivo GIL.exe e abra-o com o seu editor hexadecimal. Utilize a ferramenta de busca do editor, geralmente acessada através do conjunto de teclas CTRL+F, para encontrar a sentença hexadecimal abaixo:

6C 6C 00 00 00 FF FF FF FF 01 00 00 00 5C 00 00 00 FF FF FF FF 09 00 00 00 62 64 67 69 6C 2E 66 64 62

Após encontrar esta sentença, nela você terá que substituir o 5C por 2F, substituindo assim a barra ao contrário (\) por uma barra convencional (/). Observe do lado direito do editor que é mostrado, dentre outros caracteres, o texto “\bdgil.fdb”, o qual é alterado para “/bdgil.fdb”.

Depois de editar, é só salvar o arquivo e substituí-lo no cliente GIL. Alternativamente, você pode salvar com um nome diferente, algo como GIL-Linux.exe ou, como eu costumo fazer, gil-xxxx-linux.exe, sendo que xxxx é a versão do GIL em questão.

Versões Antigas do GIL

Para versões do GIL anteriores à versão 4.0.30, existe mais um problema com as tais barras. Agora o problema encontra-se no caminho para o arquivo do banco de dados do Cadsus Simplificado. O problema é semelhante, pois, onde o GIL deveria solicitar:

/var/lib/firebird/cadsus/banco/DB_CNS.GDB

Ele solicita algo que o servidor Linux não compreende:

/var/lib/firebird/cadsus\banco\DB_CNS.GDB

Hackeando Novamente

Para corrigir o problema do caminho para o arquivo do banco de dados do Cadsus Simplificado, abra o executável do GIL com o editor exadecimal e busque pela sentença exadecimal abaixo:

11 00 00 00 5C 62 61 6E 63 6F 5C

Da mesma forma você terá que substituir 5C por 2F, mas aqui são duas vezes, pois são duas barras. Observe do lado direito do editor que é mostrado o texto “\banco\DB_CNS.GDB”, o qual é alterado para “/banco/DB_CNS.GDB”.

Agora é só salvar e utilizar.

Instalação do GIL Cliente no Windows 7 32 bits e 64 bits em Domínio de Rede

Para dar continuidade ao post Instalação do GIL Servidor no Windows 7 32 bits e 64 bits que fiz hoje pela manhã, é necessário descrever a instalação do GIL Cliente no Windows 7. Existem passos diferentes a serem seguidos dependendo da rede da sua empresa. Os passos abaixo são para uma rede mais complexa que utiliza um domínio de rede:

1. Instalar o GIL como administrador em Program Files

1.1. Clique com o botão direito do mouse sobre o ícone do aplicativo instalador do GIL e clique em Executar como administrador.

1.2. Instale o GIL na pasta C:\Program Files\datasus\gil. No Windows 7 de 32 bits, esta é a pasta padrão de instalação, mas no Windows 7 de 64 bits o padrão é Program Files (x86). Mude para Program Files.

2. Alterar o arquivo de configuração Gil.ini

2.1. Copie o arquivo Gil.ini da pasta de instalação do GIL para a sua área de trabalho.

2.2. No arquivo Gil.ini que está na área de trabalho, faça as alterações descritas abaixo:

2.2.1. Localize a linha:

Diretorio=c:\arquivos de programas\datasus\gil\banco

Modifique-a para ficar como abaixo, substituindo a variável $IPSRVGIL pelo endereço IP do servidor do GIL:

Diretorio=$IPSRVGIL:c:\program files\datasus\gil\banco

2.2.2. Localize a linha:

DirCliente=c:\arquivos de programas\datasus\gil

Modifique-a para ficar como abaixo:

DirCliente=c:\program files\datasus\gil

2.2.3. Para que o GIL possa ser integrado ao Cadsus, adicione as linhas abaixo ao fim do arquivo, substituindo a variável $IPSRVCNS pelo endereço IP do servidor do Cadsus Centralizador Simplificado:

[CADSUS]
Caminho=$IPSRVCNS:c:\program piles\cadsus centralizador simplificado

No meu ambiente de testes, o servidor do GIL e o servidor do Cadsus Centralizador Simplificado são o mesmo servidor e o seu endereço IP é o 192.168.1.1. Sendo assim, após aplicar todas as alterações, o arquivo Gil.ini deverá ficar como abaixo:

Memo1
[SISTEMA]
DataInst=08/03/2006
Diretorio=192.168.1.1:c:\program files\datasus\gil\banco
DirCliente=c:\program files\datasus\gil
Dirtabwin=c:\tabwin
Aparencia=C:\arquivos de programas\datasus\gil\skins\(Default).SKN
AbrevAparencia=(Default).SKN
VersaoImportador=20325;
DIRMAPA=C:\arquivos de programas\datasus\gil\MAPA
VersaoExportador=203257
VersaoHigienizador=203257

[US]
nomeUS=''

[CADSUS]
Caminho=192.168.1.1:c:\program files\cadsus centralizador simplificado

2.3. Copie o arquivo Gil.ini modificado da sua área de trabalho para a pasta de instalação do GIL, substituindo o arquivo original. Conceda todas as permissões solicitadas.

3. Configure a compatibilidade de GIL.exe

3.1. Acesse a pasta onde o GIL foi instalado.

3.2. Clique com o botão direito do mouse sobre o arquivo GIL.exe e clique em Propriedades.

3.3. Clique na guia Compatibilidade.

3.4. Clique no botão Alterar configurações de todos os usuários.

3.5. Marque a opção Executar este programa em modo de compatibilidade e selecione logo abaixo Windows XP (Service Pack 3).

3.6. Agora marque a opção Executar este programa como administrador, clique em OK e novamente em OK.

4. Apague os atalhos desnecessários

4.1. Acesse a pasta C:\Users\$USER\Desktop, onde a variável $USER deve ser substituída pelo nome do usuário com o qual você está logado, e recorte o atalho do GIL existente nela.

4.2. Agora acesse a pasta C:\Users\Public\Desktop e cole o atalho do GIL que você recortou no passo anterior.

4.3. Depois acesse a pasta C:\Users\$USER\AppData\Roaming\Microsoft\Windows\Start Menu\Programs, onde a variável $USER deve ser substituída pelo nome do usuário com o qual você está logado, e apague a sub-pasta Datasus existente nela.

5. Corrija o atalho do GIL

5.1. Clique com o botão direito do mouse sobre o atalho do GIL existente na área de trabalho e clique em Propriedades.

5.2. No campo Destino preencha com a linha abaixo, substituindo a variável $DOMAIN pelo nome do domínio, que pode ser local ou da rede, e substituindo a variável $USER pelo nome de um usuário do domínio fornecido que possua direitos administrativos:

C:\Windows\System32\runas.exe /savecred /user:$DOMAIN\$USER "C:\Program Files\datasus\gil\GIL.exe"

5.3. Clique no botão Alterar Ícone…, no campo Procurar ícones neste arquivo, preencha com o caminho para o arquivo de ícone do GIL, C:\Program Files\datasus\gil\GIL.ico, tecle Enter, clique em OK e novamente em OK:

6. Executar o GIL

6.1. Ao clicar duas vezes sobre o atalho do GIL na área de trabalho, antes de abrir o GIL, será exibida uma janela do prompt de comandos solicitando a senha do usuário definido no passo 5.2. Digite a senha deste usuário e tecle Enter.

6.2. Finalmente o GIL será executado e poderá ser utilizado normalmente.

6.3. A senha digitada no passo 6.1 será solicitada a cada novo usuário logado no Windows, mas apenas na primeira execução do GIL por este usuário. Por isso, para garantir que o GIL está funcionando como deve, realize testes com alguns usuários do seu domínio que não tenham privilégios de administrador.

Depois de executar o GIL, testar e verificar que está tudo funcionando nos conformes, recomendo reiniciar o Windows 7 e refazer os testes. Afinal, estamos trabalhando em uma máquina Windows.

Instalação do GIL Cliente no Windows 7 32 bits e 64 bits em Grupo de Rede

Para dar continuidade ao post Instalação do GIL Servidor no Windows 7 32 bits e 64 bits que fiz hoje pela manhã, é necessário descrever a instalação do GIL Cliente no Windows 7. Existem passos diferentes a serem seguidos dependendo da rede da sua empresa. Os passos abaixo são para uma rede simples que utiliza um grupo de trabalho:

1. Instalar o GIL como administrador em Program Files

1.1. Clique com o botão direito do mouse sobre o ícone do aplicativo instalador do GIL e clique em Executar como administrador.

1.2. Instale o GIL na pasta C:\Program Files\datasus\gil. No Windows 7 de 32 bits, esta é a pasta padrão de instalação, mas no Windows 7 de 64 bits o padrão é Program Files (x86). Mude para Program Files.

2. Alterar o arquivo de configuração Gil.ini

2.1. Copie o arquivo Gil.ini da pasta de instalação do GIL para a sua área de trabalho.

2.2. No arquivo Gil.ini que está na área de trabalho, faça as alterações descritas abaixo:

2.2.1. Localize a linha:

Diretorio=c:\arquivos de programas\datasus\gil\banco

Modifique-a para ficar como abaixo, substituindo a variável $IPSRVGIL pelo endereço IP do servidor do GIL:

Diretorio=$IPSRVGIL:c:\program files\datasus\gil\banco

2.2.2. Localize a linha:

DirCliente=c:\arquivos de programas\datasus\gil

Modifique-a para ficar como abaixo:

DirCliente=c:\program files\datasus\gil

2.2.3. Para que o GIL possa ser integrado ao Cadsus, adicione as linhas abaixo ao fim do arquivo, substituindo a variável $IPSRVCNS pelo endereço IP do servidor do Cadsus Centralizador Simplificado:

[CADSUS]
Caminho=$IPSRVCNS:c:\program piles\cadsus centralizador simplificado

No meu ambiente de testes, o servidor do GIL e o servidor do Cadsus Centralizador Simplificado são o mesmo servidor e o seu endereço IP é o 192.168.1.1. Sendo assim, após aplicar todas as alterações, o arquivo Gil.ini deverá ficar como abaixo:

Memo1
[SISTEMA]
DataInst=08/03/2006
Diretorio=192.168.1.1:c:\program files\datasus\gil\banco
DirCliente=c:\program files\datasus\gil
Dirtabwin=c:\tabwin
Aparencia=C:\arquivos de programas\datasus\gil\skins\(Default).SKN
AbrevAparencia=(Default).SKN
VersaoImportador=20325;
DIRMAPA=C:\arquivos de programas\datasus\gil\MAPA
VersaoExportador=203257
VersaoHigienizador=203257

[US]
nomeUS=''

[CADSUS]
Caminho=192.168.1.1:c:\program files\cadsus centralizador simplificado

2.3. Copie o arquivo Gil.ini modificado da sua área de trabalho para a pasta de instalação do GIL, substituindo o arquivo original. Conceda todas as permissões solicitadas.

3. Configure a compatibilidade de GIL.exe

3.1. Acesse a pasta onde o GIL foi instalado.

3.2. Clique com o botão direito do mouse sobre o arquivo GIL.exe e clique em Propriedades.

3.3. Clique na guia Compatibilidade.

3.4. Clique no botão Alterar configurações de todos os usuários.

3.5. Marque a opção Executar este programa em modo de compatibilidade e selecione logo abaixo Windows XP (Service Pack 3).

3.6. Agora marque a opção Executar este programa como administrador, clique em OK e novamente em OK.

4. Apague os atalhos desnecessários

4.1. Acesse a pasta C:\Users\$USER\Desktop, onde a variável $USER deve ser substituída pelo nome do usuário com o qual você está logado, e recorte o atalho do GIL existente nela.

4.2. Agora acesse a pasta C:\Users\Public\Desktop e cole o atalho do GIL que você recortou no passo anterior.

4.3. Para concluir acesse a pasta C:\Users\$USER\AppData\Roaming\Microsoft\Windows\Start Menu\Programs, onde a variável $USER deve ser substituída pelo nome do usuário com o qual você está logado, e apague a sub-pasta Datasus existente nela.

5. Executar o GIL

Depois de executar o GIL, testar e verificar que está tudo funcionando nos conformes, recomendo reiniciar o Windows 7 e refazer os testes. Afinal, estamos trabalhando em uma máquina Windows. O próximo post será sobre a instalação do GIL Cliente no Windows 7 32 bits e 64 bits em Domínio de Rede.

Instalação do GIL Servidor no Windows 7 32 bits e 64 bits

O Gerenciador de Informações Locais – GIL é um software antigo desenvolvido em Delphi e com banco de dados em Firebird 1.5. Este software é criado e distribuído livremente pelo Ministério da Saúde através do link gil.datasus.gov.br. Conforme descrito no próprio site do Datasus, o GIL “destina-se à informatização da rede ambulatorial básica do Sistema Único de Saúde – SUS auxiliando na administração dos seus processos e fornecendo informações sobre a morbidade da população atendida, subsidiando os gestores nas tomadas de decisões. Permite o monitoramento e o planejamento contínuo do sistema de saúde no município.”

Como este software é antigo, sua instalação é perfeita no Windows XP, mas dá um trabalho imenso instalar em versões mais recentes do Windows. No próprio site do GIL tem um documento descrevendo sua instalação no Windows Vista e no Windows 7, mas em minhas experiências não tive êxito da forma descrita neste documento. Segue abaixo os passos que eu executo para conseguir instalar o GIL no Windows 7, seja ele em 32 bits ou em 64 bits:

1. Instalar o GIL como administrador em Program Files

1.1. Clique com o botão direito do mouse sobre o ícone do aplicativo instalador do GIL e clique em Executar como administrador.

1.2. Instale o GIL na pasta C:\Program Files\datasus\gil. No Windows 7 de 32 bits, esta é a pasta padrão de instalação, mas no Windows 7 de 64 bits o padrão é Program Files (x86). Mude para Program Files.

2. Alterar o arquivo de configuração Gil.ini

2.1. Copie o arquivo Gil.ini da pasta de instalação do GIL para a sua área de trabalho.

2.2. No arquivo Gil.ini que está na área de trabalho, faça as alterações descritas abaixo:

2.2.1. Localize a linha:

Diretorio=c:\arquivos de programas\datasus\gil\banco

Modifique-a para ficar como abaixo:

Diretorio=127.0.0.1:c:\program files\datasus\gil\banco

2.2.2. Localize a linha:

DirCliente=c:\arquivos de programas\datasus\gil

Modifique-a para ficar como abaixo:

DirCliente=c:\program files\datasus\gil

2.2.3. Para que o GIL possa ser integrado ao Cadsus, adicione as linhas abaixo ao fim do arquivo, substituindo a variável $IPSRVCNS pelo endereço IP do servidor do Cadsus Centralizador Simplificado:

[CADSUS]
Caminho=$IPSRVCNS:c:\program files\cadsus centralizador simplificado

No meu ambiente de testes, o servidor do GIL está sendo implementado no mesmo servidor do Cadsus Centralizador Simplificado, me possibilitando usar o endereço IP reservado 127.0.0.1 no lugar da variável $IPSRVCNS. Sendo assim, após aplicar todas as alterações, seu arquivo Gil.ini deverá ficar como abaixo:

Memo1
[SISTEMA]
DataInst=08/03/2006
Diretorio=127.0.0.1:c:\program files\datasus\gil\banco
DirCliente=c:\program files\datasus\gil
Dirtabwin=c:\tabwin
Aparencia=C:\arquivos de programas\datasus\gil\skins\(Default).SKN
AbrevAparencia=(Default).SKN
VersaoImportador=20325;
DIRMAPA=C:\arquivos de programas\datasus\gil\MAPA
VersaoExportador=203257
VersaoHigienizador=203257

[US]
nomeUS=''

[CADSUS]
Caminho=127.0.0.1:c:\program files\cadsus centralizador simplificado

2.3. Copie o arquivo Gil.ini modificado da sua área de trabalho para a pasta de instalação do GIL, substituindo o arquivo original. Conceda todas as permissões solicitadas.

3. Parar e desativar os serviços do Firebird

3.1. No teclado, segure a tecla com o ícone do Windows e aperte a tecla R (WIN+R).

3.2. Digite services.msc e clique em OK.

3.3. Procure na lista de serviços por Firebird Guardian – DefaultInstance e Firebird Server – DefaultInstance e, para cada um dos dois ítens, faça o seguinte:

3.3.1. Clique com o botão direito do mouse sobre o ítem e clique em Parar.

3.3.2. Clique com o botão direito do mouse sobre o ítem e clique em Propriedades.

3.3.3. Em Tipo de inicialização mude para Desativado

3.4. Feche a janela Gerenciador de Serviços.

4. Instalar novamente o Firebird

4.1. Faça o download do Firebird 1.5 no link abaixo:

http://sourceforge.net/projects/firebird/files/firebird-win32/1.5.6-Release/Firebird-1.5.6.5026-0-Win32.exe/download

4.2. Clique com o botão direito do mouse sobre o aplicativo Firebird-1.5.6.5026-0-Win32.exe e clique em Executar como administrador.

4.3. Siga os padrões do instalador até a tela abaixo. Nesta tela, mude as seleções como demonstrado na imagem:

Deste modo, o Firebird não executará como serviço, mas como aplicação. A opção Copiar a biblioteca do cliente Firebird para a pasta de <system> precisa ser marcada, pois evita a necessidade da cópia manual do arquivo DLL para a pasta. Sempre que a aplicaçào procurar o arquivo para se conectar ao Banco de Dados, vai procurar também na pasta do Sistema Operacional.

4.4. Ao término da instalação, o Firebird será iniciado e o Firewall do Windows irá mostrar a janela Alerta de Segurança do Windows perguntando se o Firebird deverá ser desbloqueado. Marque todas as opções mostradas e clique no botão Permitir acesso.

4.5. Copie o arquivo security.fdb, localizado na pasta do Firebird instalado junto com o GIL, em C:\Program Files\datasus\firebird1_5, e cole na pasta do Firebird que instalamos depois separadamente, em C:\Program Files\Firebird\Firebird_1_5. Conceda todas as permissões solicitadas.

5. Incluir regras no Firewall

5.1. Na barra de pesquisa do menu iniciar, digite firewall.

5.2. Selecione a opção Firewall do Windows com Segurança Avançada.

5.3. No painel do lado esquerdo, clique em Regras de Entrada.

5.4. No painel do lado direito, clique em Nova Regra…

5.4.1. Selecione o tipo de regra Porta e clique em Avançar.

5.4.2. Selecione o protocolo TCP, em Portas locais específicas escreva os números de porta 3050, 3051 e clique em Avançar.

5.4.3. Selecione a ação Permitir a conexão e clique em Avançar.

5.4.4. Selecione os perfis Domínio, Particular e Público e clique em Avançar.

5.4.5. Digite o nome Firebird IN TCP 3050 e 3051 e clique em Concluir.

5.5. No painel do lado esquerdo, clique em Regras de Saída.

5.6. No painel do lado direito, clique em Nova Regra…

5.6.1. Selecione o tipo de regra Porta e clique em Avançar.

5.6.2. Selecione o protocolo TCP, em Portas locais específicas escreva os números de porta 3050, 3051 e clique em Avançar.

5.6.3. Selecione a ação Permitir a conexão e clique em Avançar.

5.6.4. Selecione os perfis Domínio, Particular e Público e clique em Avançar.

5.6.5. Digite o nome Firebird OUT TCP 3050 e 3051 e clique em Concluir.

5.7. Feche a janela Firewall do Windows com Segurança Avançada.

6. Configurar a compatibilidade de GIL.exe

6.1. Acesse a pasta onde o GIL foi instalado.

6.2. Clique com o botão direito do mouse sobre o arquivo GIL.exe e clique em Propriedades.

6.3. Clique na guia Compatibilidade.

6.4. Clique no botão Alterar configurações de todos os usuários.

6.5. Marque a opção Executar este programa como administrador, clique em OK e novamente em OK.

7. Verificar a execução do Firebird

7.1. Verifique na bandeja do Windows 7 se existe o ícone do Firebird Guardian, como demonstrado na figura abaixo:

7.2. Se não existir o ícone na bandeja do Windows, verifique no Gerenciador de Tarefas se existem os processos fbguard.exe e fbserver.exe.

7.3. Se os processos não existirem, o Firebird está parado. Inicie-o indo no menu iniciar do Windows 7, Todos os Programas, Firebird 1.5, Firebird Guardian, assim como demonstrado na figura abaixo:

8. Executar o GIL

Depois de executar o GIL, testar e verificar que está tudo funcionando nos conformes, recomendo reiniciar o Windows 7 e refazer os testes. Afinal, estamos trabalhando em uma máquina Windows. Em seguida, devemos instalar o GIL nas estações clientes, mas o processo de instalação é um pouco diferente. Por causa disto, farei dois novos posts, um sobre a Instalação do GIL Cliente no Windows 7 32 bits e 64 bits em Grupo de Rede e outro sobre a Instalação do GIL Cliente no Windows 7 32 bits e 64 bits em Domínio de Rede. Fique no aguardo, pois farei isto ainda hoje.

Certificação LPIC-1

Dia 22 de setembro de 2011, a partir das 16:50, foi um grande dia para minha carreira! Neste dia alcancei o resultado de meus esforços. Foram 11 meses de estudo, em paralelo à faculdade, me capacitanado para os exames exigidos pelo Linux Professional Institute. É com imenso orgulho que faço esta publicação, pois fui aprovado com louvor em ambos os exames e hoje possuo minha primeira certificação de TI. Hoje sou um Junior Level Linux Professional.

Abaixo, os relatórios de pontuação dos exames:

LPI-101
Data: 11 de maio de 2011
Pontuação: 670

Seção do Exame ----------------------------- Percentual de Acerto
System Architecture ---------------------------------------- 100%
Linux Installation and Package Management ------------------- 81%
GNU and Unix Commands --------------------------------------- 69%
Devices, Linux Filesystems, Filesystem Hierarchy Standard --- 86%

LPI-102
Data: 22 de setembro de 2011
Pontuação: 700

Seção do Exame ----------------------------- Percentual de Acerto
Shells, Scripting and Data Management ----------------------- 70%
User Interfaces and Desktops -------------------------------- 80%
Administrative Tasks ---------------------------------------- 91%
Essential System Services ----------------------------------- 90%
Networking Fundamentals ------------------------------------- 92%
Security ---------------------------------------------------- 66%

Para verificar a autenticidade da minha certificação, entre com os dados abaixo no link que se segue:

LPI ID: LPI000210761
Verification Code: lh9csbkd58
http://www.lpi.org/verify

Muito obrigado a todos os meus amigos que me ajudaram nesse período. Serei eternamente grato aos professores Marcelo Soares e Robson Negreiros da F13 Tecnologia pelos ensinamentos transmitidos.

Daqui para frente irei continuar meus estudos, agora para a certificação LPIC-2. Também tenho como meta criar meu material didático preparatório para a certificação LPIC-1. Como sou um amante da liberdade e do compartilhamento, uso GNU/Linux e compartilharei todo o material que eu escrever aqui no blog em forma de posts. Ao término de todo o material irei fazer um PDF com o material completo. Pretendo inclusive criar video-aulas demonstrando os comandos cobrados nos exames e publicá-los livremente no YouTube.